domingo, 20 de maio de 2007

desabafo

"Como é preciso passar o tempo e impedir o pensamento, eu me ocupo. Da maneira mais fútil possível. A superficialidade é a única panacéia da minha latente depressão. E eu a agito por cima de minha cabeça para expulsar minhas idéias obscuras, fiz dela uma arte de viver."

Hell - Paris
(Lolita Pille)

2 comentários:

Lood disse...

"desenganada antes do tempo, vomito sobre os sentimentos artificiais. O que a gente chama de amor é apenas o álibi consolador da união de um perverso com uma puta, é somente o véu rosado que cobre o rosto assustador da Solidão invencível. Vesti uma carapaça de cinismo, meu coração é castrado, sou a Dependência lastimável, a zombaria do Engodo universal; Eros com uma foice enfiada na sua aljava. Amor, isto é tudo que a gente encontrou para alienar a depressão pós-cópula, para justificar a fornicação para consolidar o orgasmo. Ele é a quintessência do Belo, do Bem, do Verdadeiro, que remodela a sua cara escrota, que sublima a sua existência mesquinha..."

meus momentos pé na bunda de 2004, era o que me consolava.

Cineasta 81 disse...

A superficialidade realmente afasta a depressão. Eu sempre achei que a futilidade é útil nessas horas.
Tem coisas que as coisas estão confusas e pesadas demais, a cerveja sempre ajuda a simplificar tudo.
Mas eu prefiro, em vez de ficar só na superficialidade, ir pros lados do bom humor, que é a melhor religião que há.